JARDINS DO MEL CHEGAM A CURITIBA

início

“A ideia da Prefeitura é criar um grande programa de polinização e de difusão do conhecimento da importância da correção ambiental”, explica o prefeito Rafael Greca.

 

 

Com os Jardins do Mel, a cidade voltará a estimular a presença dos insetos, responsáveis por boa parte do cultivo agrícola e disseminação de árvores nativas.

As abelhas nativas sem ferrão são importantíssimas na polinização das matas e plantas nativas do Brasil.

Abelhas e plantas evoluíram juntos, uma não existe sem a outra. Somente elas tem as estruturas necessárias em seu corpinho para ao mesmo tempo coletar pólen e néctar das flores nativas, levando de umà outra a fonte da vida, polinizando e assim aumentando em 80% a produtividade e reprodução de vegetais. O pólen fica grudado em suas patas traseiras e assim, polinizam várias flores em alguns minutos.

O pólen e as resinas são estruturais na colméia e o néctar vai se transformar em mel, do mais delicioso e nutritivo.

 

Em Curitiba, onde ainda há muitas árvores, entre os locais definidos, além do Barigui, estão o Jardim das Sensações, no Jardim Botânico e o Bosque Reinhard Maack, no bairro Hauer.

Outros locais já confirmados são o Zoológico de Curitiba, no Boqueirão, o Museu de História Natural do Capão da Imbuia e o Passeio Público, no Centro.

 

A localização das caixas deve favorecer a autonomia de voo das abelhas sem ferrão, que varia de espécie para espécie, entre 500 metros a dois quilômetros. A variação depende do tamanho do corpo e das asas dos insetos. Assim, elas poderão polinizar a maior parte da cidade de forma natural, permitindo a enxameação e a volta das abelhas para a cidade.

 

O projeto é viabilizado em parceria pelas secretarias municipais do Meio Ambiente e da Educação, a Fundação Cultural de Curitiba e o Instituto Municipal de Administração Pública (Imap).

 

No mundo, há 400 espécies e 300 delas são endêmicas do Brasil. O repovoamento e a sensibilização para a sua importância são outros objetivos de um amplo programa, que além dos Jardins do Mel, prevê a educação ambiental para as crianças das creches e escolas municipais.

 

“Cuidar das abelhas é cuidar da preservação de toda a biodiversidade da cidade”, reforça o professor Felipe Thiago de Jesus, responsável pela implantação.

 

O Pequena India engloba também o projeto Abelhas Nativas, em breve mais cursos!

 

Adriana Donega da Cunha

Bacharel em Ciências Biológicas pela FFCLRP/USP

Doutora em Ciências

 

Hospital

PEQUENA ÍNDIA